A ovodoação é o tratamento de reprodução humana no qual a paciente que não produz óvulos adequados para a fecundação recebe, por meio de doação voluntária, óvulos de uma mulher que se dispõe a ajudar outras pessoas a realizarem o sonho da maternidade. O gesto, além de altruísta, está relacionado a boas chances de sucesso do tratamento.

Inicialmente, destaca-se que, para ser doadora de óvulos, a mulher deve ter entre 18 e 35 anos, pois a partir dessa idade limite é identificada uma queda na qualidade dos gametas, estando mais relacionado a casos de alterações cromossômicas e menores chances de sucesso nos procedimentos de reprodução. Além da idade, a saúde da mulher e a qualidade dos óvulos também são analisadas de forma que a doadora esteja apta a realizar essa doação. Portanto, a ovodoação é um tratamento bastante seguro.

Quais as taxas de sucesso da ovodoação?

As chances de sucesso em qualquer tratamento de Fertilização In Vitro estão diretamente relacionadas com a idade da mulher que produziu os óvulos, nesses casos, da doadora. Sendo exigido, portanto, que a mulher tenha menos de 35 anos para ser doadora assegura-se que ela esteja em idade fértil adequada para produção de óvulos com qualidade para serem fecundados. Esse aspecto já aumenta as chances de sucesso do tratamento de ovodoação.

No geral, com óvulos viáveis, a FIV apresenta taxas de sucesso por ciclo que variam de 50% a 60% e essa é a mesma taxa de sucesso da ovodoação. Dependendo da conduta médica adotada, essas chances podem ser ainda maiores quando associadas técnicas como a de diagnóstico genético dos embriões (PGS) e de estudo da receptividade do útero (ERA). Nesses casos, pode-se obter até 80% de chances de sucesso por ciclo.

Assim, as chances de sucesso da ovodoação são bastante semelhantes à fertilização in vitro com óvulos próprios e, como nesses casos, também podem ocorrer falhas na implantação. Dessa forma, a personalização e aprimoramento da técnica pode ser uma medida adotada pelo especialista responsável para melhorar as chances em uma próxima tentativa.

Quando realizar a ovodoação?

O tratamento de fertilização in vitro com ovodoação é indicado para casos nos quais os óvulos próprios não são viáveis. Isso pode acontecer em situações, como:

  • Mulher com idade avançada;
  • Falência ovariana precoce;
  • Abortos de repetição;
  • Ovários inacessíveis;
  • Alterações cromossômicas na mulher ou nos óvulos.

Caso o tratamento indicado seja a ovodoação, o material genético da doadora passa por um teste de compatibilidade genético para verificar se coexistem mutações genéticas no óvulo e no espermatozoide que aumentem as chances de o bebê desenvolver uma doença genética hereditária. Esse é mais um procedimento exigido para aumentar as chances de sucesso da técnica e evitar o desenvolvimento de alterações no feto.

No Brasil, a ovodoação é um procedimento anônimo, voluntário e gratuito, de forma que a receptora não pode conhecer a identidade da doadora ou comprar os óvulos. O mais indicado é procurar uma clínica de reprodução humana de confiança para realizar um diagnóstico correto e, caso seja necessária a ovodoação, conversar com um especialista que possa tirar as dúvidas sobre o procedimento e encaminhá-lo de forma legalizada e com as etapas adequadas para um tratamento com mais chances de sucesso.