O infarto agudo do miocárdio é o principal responsável por óbitos decorrentes das doenças cardíacas no Brasil, sendo que a estimativa do Ministério da Saúde é de cerca de 300 mil casos anuais.

Desses, 80 mil ocorrências são fatais devido à ausência de tratamento médico adequado ou não controle dos fatores de risco que desencadeiam o infarto.

O que é infarto?

O infarto (ataque cardíaco) consiste em uma insuficiência de sangue oxigenado no coração em decorrência de uma obstrução da artéria coronária.

Uma vez que o sangue não atinge o músculo, pode ocorrer a necrose.

Quais as causas de infarto?

O infarto é causado quando há o bloqueio de uma ou mais artérias do coração.

Ele pode ter relação com a Doença Arterial Coronariana, que causa o acúmulo de várias substâncias, como o colesterol, estreitando a artéria.

Quando essas placas entram na corrente sanguínea podem interromper ou reduzir drasticamente o fluxo de sangue, gerando o ataque cardíaco.

O espasmo da artéria coronária é outra causa frequente do infarto, interrompendo subitamente o fluxo sanguíneo que chega ao coração.

Esse tipo de ocorrência é mais comum entre fumantes e pessoas que fazem uso de drogas com descargas de adrenalina no organismo.

Fatores de risco

Os fatores de risco estão muito associados às causas do infarto, consistindo em ocorrências que aumentam as chances de desenvolvimento do problema cardíaco. Eles podem ser divididos em três grupos:

  • Principais fatores de risco: idade, sexo masculino, menopausa, hereditariedade, histórico de pré-eclâmpsia e histórico de doenças autoimunes;
  • Fatores de risco modificáveis: tabagismo, colesterol elevado, hipertensão, sedentarismo, obesidade e diabetes;
  • Fatores de risco contribuintes: estresse, alcoolismo, dieta e uso de drogas, como a cocaína.

Portanto, alguns fatores que aumentam as chances de infarto não são de controle dos pacientes, mas outros são, de forma que a manutenção de hábitos saudáveis reduz significativamente as chances da doença.

Como identificar um ataque cardíaco?

Nem sempre o infarto é sintomático, sendo mais difícil identificá-lo quando não há nenhum indício aparente. No entanto, os sintomas mais comuns da doença podem ter duração de alguns minutos ou mesmo horas e incluem:

  • Dor no peito que pode afetar o braço esquerdo, pescoço, estômago e costas;
  • Suor frio;
  • Desmaio.

Alguns sintomas menos comuns e que afetam principalmente as mulheres incluem: enjoos, vômitos, falta de ar, fadiga, desconforto no peito e arritmia cardíaca.

Como prevenir o infarto?

Como visto, o infarto é causado por diferentes condições e está associado aos fatores de risco que elevam as chances de desenvolver o problema. Dessa forma, a prevenção do ataque cardíaco é possível com a adoção dos seguintes hábitos:

  • Realizar atividades físicas, principalmente caminhada;
  • Manter uma alimentação saudável, controlando a ingestão de gorduras, açúcares e sal;
  • Manter hábitos saudáveis evitando o tabaco, álcool e drogas;
  • Ter uma rotina sem estresse;
  • Fazer o controle do peso, mantendo-o dentro do IMC ideal;
  • Acompanhar e tratar doenças relacionadas, como diabetes e hipertensão.

Além desses cuidados, recomenda-se ainda que homens façam o acompanhamento cardiológico partir dos 40 anos e as mulheres a partir dos 50 anos.

Com esses cuidados é possível minimizar as chances de um infarto e ter mais qualidade de vida, principalmente na terceira idade.

Referências: Cardiologista Dr. Henrique Grinberg CRM: 120.100