O diagnóstico precoce do câncer de mama está diretamente relacionado com maiores chances de sucesso no tratamento dessa patologia. Para que a doença seja diagnosticada logo no início, entretanto, a realização dos exames de rotina é fundamental, como o autoexame e a mamografia.

Muitas pacientes se questionam se os exames podem ser substituídos, devido ao fato que alguns são menos desconfortáveis que outros. Entretanto, é essencial que se saiba que a ultrassonografia não substitui a mamografia, sendo os dois exames fundamentais para um diagnóstico correto e precoce do câncer de mama.

Dessa forma, não é possível afirmar que um exame é melhor que o outro, visto que cada um deles permite identificar aspectos específicos da patologia para que seja iniciado um tratamento mais adequado. É relevante, portanto, saber como funciona cada exame.

Mamografia

A mamografia é o principal exame para diagnóstico do câncer de mama, sendo indicada anualmente a partir dos 40 anos para todas as mulheres e, em pessoas com histórico familiar da doença, a partir da idade indicada pelo ginecologista, que pode ser antes mesmo dos 30 anos, de acordo com cada caso.

Esse exame permite identificar nódulos, distorções da arquitetura mamária, microcalcificações e áreas densas assimétricas, que podem indicar uma neoplasia maligna. Essa diversidade de situações que podem ser identificadas por meio da mamografia que tornam o exame tão completo e necessário para o diagnóstico do câncer de mama ou outras patologias mamárias.

O exame é realizado em um aparelho radiográfico que prensa as mamas vertical e horizontalmente, razão pela qual pode proporcionar desconfortos e dores leves na paciente. Por essa razão indica-se que ele seja realizado uma semana antes ou depois da menstruação, quando a sensibilidade mamária é menor.

Ultrassom das mamas

O ultrassom das mamas não identifica microcalcificações, o que o torna menos eficiente que a mamografia no diagnóstico precoce do câncer de mama. Entretanto, o exame é indicado para identificar se as lesões são sólidas (podendo ser benignas ou malignas) ou císticas (na maioria das vezes benignas), se elas são ocas e arredondadas, portando mostrando o contorno e as margens dos nódulos.

Ultrassom das Mamas – Imagem: Shutterstock

Por mostrar o local exato no qual está a lesão, a ultrassonografia é indicada como exame completar a mamografia antes da realização de biópsias, para que a inserção da agulha seja no local correto. Esse exame também permite visualizar melhor as glândulas axilares que nem sempre aparecem adequadamente na mamografia.

O ultrassom das mamas também é indicado nos casos de mamas radiologicamente densas, que é quando o tecido fibroglandular é grande e pode escurecer os nódulos ou gerar outras alterações na mamografia. Essa situação é mais comum em pacientes com menos de 35 anos.

A ultrossonografia é um exame rápido, que dura entre 15 e 30 minutos, e não causa desconfortos. Para realizá-lo utiliza-se um aparelho de ultrassom comum, mas com a ponteira reta.

Assim, tanto a mamografia quanto o ultrassom das mamas são exames importantes no diagnóstico do câncer de mama, visando identificar precocemente a patologia e dar início ao tratamento com mais chances de cura.

A realização de um exame não exime da necessidade de realizar o outro, entretanto, o indicado para prevenção do câncer de mama é a realização da mamografia, sendo que o ultrassom pode ser solicitado em casos específicos pelo médico responsável pelo acompanhamento, assim como outros exames que auxiliem em um diagnóstico correto da doença para que seja identificada a conduta mais adequada.